Empresa espanhola Acciona compra Linha-6 Laranja do Metrô de SP e obras serão retomadas - Via Coletivo

Últimas Notícias

11 de novembro de 2019

Empresa espanhola Acciona compra Linha-6 Laranja do Metrô de SP e obras serão retomadas

Construção linha 6 laranja do Metrô SP
Foto: Reprodução TV Globo
O Governo do Estado de São Paulo divulgou nesta segunda-feira, dia 11 de novembro de 2019, que a construtora espanhola Acciona fechou acordo para comprar a concessão da Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo que hoje é do consórcio Move São Paulo, formado por Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC.

Outras duas empresas disputavam a compra da concessão com a empresa espanhola, a americana KT2 e a chinesa CR20, mas a proposta da empresa Acciona foi considerada mais vantajosa e venceu a disputa.


Segundo Alexandre Baldy, secretário dos Transportes Metropolitanos, as obras serão terminadas quatro anos após serem retomadas, mas o secretário não informou uma data prevista de quando elas serão recomeçadas.

“O prazo para a conclusão das 15 estações, que são um total de 15.3 quilômetros, e liga a Brasilândia até a São Joaquim, deve ser concluída em até 4 anos de sua retomada”, disse Baldy.

As obras da linha 6-Laranja foram paralisadas em setembro de 2016, devido à dificuldade alegada pelo consórcio Move SP para obter R$5,5 bilhões com o BNDES.


Baldy explicou que a interrupção das obras se deu pelo envolvimento de empresas que fazem parte do consórcio Move na operação Lava Jato, que expôs esquemas bilionários de pagamentos de propina e lavagem de dinheiro.

“As empresas que estavam comandando o Consórcio Move São Paulo são empresas que sofreram oriundas da operação Lava Jato. E a falta de capacidade, seja por motivo de avaliação de rating, [seja por motivo de] crédito, que o BNDES durante esse período não conseguiu estabelecer os empréstimos de longo prazo que eram necessários”, disse.

“Todas essas condições que eram imprevisíveis acabaram culminando na paralisação da linha 6. Todas as concorrências que desejamos realizar são internacionais, para que a gente possibilite que empresas, sejam para investir, sejam para construir, possam participar de qualquer parte do mundo, de modo transparente, claro, para que a gente consiga viabilizar. A linha 6 é nossa prioridade”, completou.

O projeto da linha é de 15 estações, com 15,3 km de extensão, ligando a Brasilândia, na zona norte, a estação São Joaquim, no centro da capital paulista, ela irá fazer conexão com as linhas 1-Azul Metrô de São Paulo, 4-Amarela do Metrô (operada pela ViaQuatro) e linhas 7-Rubi e 8-Diamante da CPTM.

LEIA TAMBÉM: