Novas medidas no transporte público de BH entram em vigor hoje (25)

Após o relaxamento gradual do isolamento social entrar em vigor nesta segunda (25) em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, o transporte público na cidade deverá cumprir procedimentos que foram destacados no Decreto 17.362/2020, que foi publicado na edição de sábado (23) do Diário Oficial.

O Decreto entrou em vigor nesta segunda (25). O objetivo dos procedimentos é evitar aglomerações de passageiros no transporte em horários de pico.


Novas medidas

Segundo a Prefeitura, o número de passageiros de cada viagem será reduzido.

Serão permitidas viagens com passageiros em pé, mas com um limite de 20 para ônibus articulados, 10 para convencionais e 5 para miniônibus. Além disso, os coletivos deverão ser sinalizados com os locais de posicionamento dos passageiros em pé.

O horário da operação do transporte público durante a fase de flexibilização será entre 4h e 24h nos dias úteis e sábados, e entre 5 e 24h aos domingos e feriados.

Recipientes com álcool em gel deverão ser disponibilizados para usuários e operadores pelas concessionárias de transporte da cidade. A higienização nos coletivos e equipamentos das estações deverá ser intensificada.

A BHTrans informou que, por meio de cartazes e avisos sonoros, promove ações intensivas de informação e comunicação sobre as medidas de proteção individual que deverão ser adotadas pelos usuários.

Além disso, as estações de integração e transferência terão espaços demarcados para garantir o distanciamento entre os usuários nas filas. A limpeza e a higienização dos elevadores, escadas rolantes e corrimãos das estações serão intensificadas.

De acordo com a Prefeitura, usuários do transporte público devem evitar conversar durante as viagens, usar corretamente as máscaras, que devem cobrir o nariz e a boca nos ônibus e nas estações, e priorizar o pagamento utilizando o cartão BHBUS.

Ainda segundo a gestão municipal, idosos e pessoas em grupos de risco devem evitar o uso do transporte nos horários de pico.

O que pode abrir na primeira etapa da flexibilização do comércio
  • Salões de beleza;
  • Shoppings populares.
  • Comércio varejista de artigos de iluminação;
  • Comércio varejista de artigos de cama, mesa e banho;
  • Utensílios, móveis e equipamentos domésticos, exceto eletrodomésticos e equipamentos de áudio e vídeo;
  • Tecidos e armarinho;
  • Artigos de tapeçaria, cortinas e persianas;
  • Limpeza e conservação;
  • Artigos de papelaria, livraria e fotográficos;
  • Brinquedos e artigos recreativos;
  • Bicicletas e triciclos, peças e acessórios;
  • Comércio varejista de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal;
  • Veículos automotores;
  • Peças e acessórios para veículos automotores;
  • Pneumáticos e câmaras-de-ar;
  • Cabeleireiros, manicure e pedicure;
  • Centros de comércio popular instituídos a qualquer tempo por Operações Urbanas visando a inclusão produtiva de camelôs, desde que localizados no hipercentro ou em Venda Nova.
Enfim, Gostou da matéria?

Então, siga o Via Coletivo no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Desse modo você poderá acompanhar tudo sobre Trens, Metrô, Ônibus, Uber, Aviação, bem como outras matérias relacionadas a Mobilidade Urbana e Transportes.

David Molina

David Molina

Paulistano, budista, fotógrafo, entusiasta do transporte público, editor dos perfis CPTM da Depressão e Metrô SP Depressivo no Facebook.

Deixe uma resposta