fbpx

Projeto de Lei proíbe cobrança de extintor como item obrigatório em veículos

De autoria da deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), o Projeto de Lei nº 4575/2020 proíbe que órgãos de trânsito cobrem o extintor de incêndio como equipamento obrigatório para o licenciamento e circulação de veículos.

Caso o projeto seja aprovado, a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), teria uma alteração no artigo 105, que trata dos equipamentos obrigatórios dos veículos.


O artigo passaria a vigorar acrescido do seguinte parágrafo:

“Art. 105 …………………………………………………….
…………………………………………………………………
§7º. É vedada a cobrança do uso de extintores de incêndio, para veículo automotor, cujo peso bruto total não exceda três mil e quinhentos quilogramas e cuja lotação não exceda oito lugares, fabricado no Brasil, como condição ao licenciamento e à circulação em vias abertas.” (NR)

Art. 2º Esta lei entra em vigor na data da sua publicação.

O extintor não consta como item obrigatório para a circulação de veículos no CTB. Em 2004, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinou por meio da resolução 157/04 que todos os veículos novos fabricados no Brasil, a partir de 1º de janeiro de 2005, fossem equipados com extintor de incêndio.

Porém, após estudos técnicos apontarem a desnecessidade do equipamento, o Contram, por meio da Resolução 556/15, revogou a obrigatoriedade para veículos comuns.

A exigência para veículos comerciais como ônibus e veículos destinados ao transporte de produtos inflamáveis, líquidos e gasosos foi mantida.


Justificativa

Em sua justificativa, a deputada diz que o projeto “visa pôr fim às discussões acerca da possibilidade de retorno da obrigatoriedade do uso de extintores entre os equipamentos necessários à circulação de veículos automotores”.

Hasselmann afirmou que “a acertada decisão do órgão de trânsito encontra forte resistência causada pelo lobby de empresas no Congresso, que demandam a todo custo, o retorno da obrigatoriedade do equipamento para satisfação de interesses financeiros escusos e contrários ao interesse público”.

Confira a justificativa completa da parlamentar clicando aqui. O texto será analisado pela Câmara dos Deputados.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Enfim, Gostou da matéria?

Então, siga o Via Coletivo no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Desse modo, você poderá acompanhar tudo sobre Trens, Metrô, Ônibus, Uber, Aviação, bem como outras matérias relacionadas a Mobilidade Urbana e Transportes.

David Molina

David Molina

Paulistano, budista, fotógrafo, entusiasta do transporte público, editor dos perfis CPTM da Depressão e Metrô SP Depressivo no Facebook.

Deixe uma resposta